MP quer que empresas de cimento paguem por danos aos brasileiros

HomeNOTÍCIAS

MP quer que empresas de cimento paguem por danos aos brasileiros

De acordo com informações seis indústrias foram condenadas pelo Cade em 2014, por divisão do país e controle de 85% da produção durante 20 anos. O Mi

Como guardar dinheiro todo mês
Auxílio emergencial volta a ser pago pela Caixa
Quanto gasta para manter um carro elétrico?
PUBLICIDADE

De acordo com informações seis indústrias foram condenadas pelo Cade em 2014, por divisão do país e controle de 85% da produção durante 20 anos.

O Ministério Público Federal ingressou na Justiça Federal de São Paulo uma ação civil. Pedindo que seis empresas de cimento e concreto sejam condenadas a pagar R$ 28 bilhões. Em danos morais coletivos aos consumidores devido à formação de cartel e divisão do mercado durante pelo menos 20 anos (de 1987 a 2007).

Empresas de Cimento

Segundo informações as empresas já foram condenadas pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). No ano de 2014 por monopólio e divisão do mercado. A pena foi de multa de R$ 3,1 bilhões por práticas abusivas à concorrência e prejuízo aos consumidores.

Leia também:

Além disso, o Cade determinou que algumas das empresas vendam parte de seus ativos (fábricas e máquinas). Medida que visa permitir a entrada de novos concorrentes nesse mercado. A constatação administrativa foi que o monopólio provocou sobrepreço de 20% no período analisado.

Agora, o MPF quer que elas sejam responsabilizadas pelas práticas do ponto de vista cível.  Pagando à sociedade pelos prejuízos causados devido à concentração e repartição dos estados e regiões. Entre as empresas, controlando dessa forma, segundo o MPF, até 2014, 85% da produção nacional.

PUBLICIDADE

Cartel é um acordo entre empresas concorrentes para, por exemplo, fixar preços ou dividir o mercado em que atuam. Essa ação leva à restrição da concorrência e ao aumento de preços de produtos. Segundo o Cade, neste caso, o conluio envolvia a fixação e controle de preços do cimento e do concreto vendido no Brasil. A divisão regional do mercado e de clientes entre as empresas participantes, além de medidas para impedir a entrada de novos concorrentes.  E contudo, prejudicar aqueles que não estavam alinhados ao esquema.

Danos morais coletivos – empresas de cimento

O pedido do MPF requerendo danos morais coletivos compreende seis empresas de cimento, três associações representantes das empresas do setor e mais seis pessoas físicas, que eram gerentes e administradores das empresas na época dos fatos. Todos já foram condenados pelo Cade em 2014.

Caso elas sejam condenadas pela Justiça Federal de São Paulo a pagar danos morais aos consumidores pela prática, o dinheiro será revertido a um fundo especial, que será utilizado em prol da sociedade.

Com base na apreensão, foi comprovado, dizem o Cade e o MPF, que a produção brasileira de cimento e de concreto era extremamente concentrada em oito empresas cimenteiras, que realizavam práticas anticompetitivas, como fixação de preços e divisão do mercado.

Leia a íntegra da nota da Votorantim

“A Votorantim Cimentos não tem conhecimento de qualquer demanda judicial proposta pelo MPF-SP. Além do que, esclarece que, em relação à decisão emitida pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) por supostas práticas anticoncorrenciais, o processo administrativo foi encerrado em outubro de 2015. A Votorantim Cimentos, após condenação pelo Tribunal Administrativo do CADE por supostas práticas anticoncorrenciais, em novembro de 2015, recorreu da decisão administrativa no Judiciário por meio de uma ação anulatória e obteve uma liminar para suspender os seus efeitos, que foi recentemente confirmada pelo Superior Tribunal de Justiça. Até que ocorra a decisão final na esfera judicial, existe a possibilidade de a condenação do CADE ser revertida. A Votorantim Cimentos informa que as supostas práticas anticompetitivas são controversas e sem provas. Portanto, a empresa continuará a tomar as medidas legais necessárias para a sua defesa.”

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 0