Servidores do BC se mobilizam para entregar cargos e anunciam paralisação para dia 18

HomeNOTÍCIAS

Servidores do BC se mobilizam para entregar cargos e anunciam paralisação para dia 18

Sindicato pede para que 500 servidores de chefia renunciem para pressionar governo a dar reajuste de 27% aos 3,5 mil funcionários; greve geral não é d

Quanto rendem R$ 5 mil, R$ 10 mil e R$ 15 mil, com a Selic a 7,75%
Como saber se seus dados foram usados para abrir conta ou pedir empréstimo
Banco Central anuncia vazamento de 160 mil chaves do PIX
PUBLICIDADE

Sindicato pede para que 500 servidores de chefia renunciem para pressionar governo a dar reajuste de 27% aos 3,5 mil funcionários; greve geral não é descartada.

PUBLICIDADE

Servidores do BC se mobilizam para entregar cargos e anunciam paralisação para dia 18. Servidores do Banco Central (BC) estão se mobilizando para entregar cargos de chefia e anunciaram que integrarão a paralisação convocada por diversos setores do funcionalismo federal para o próximo dia 18.

As ações visam pressionar a autoridade monetária a reajustar o salário dos 3,5 mil funcionários. Em uma estratégia semelhante à feita por outros setores da administração pública nas últimas semanas, o Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal) lançou nesta segunda-feira, (03) de janeiro, um movimento para que 500 funcionários da autarquia em posições comissionadas entreguem os cargos nos próximos dias.

A entidade pede aos substitutos destes servidores que também não aceitem a nomeação para a posição. De acordo com o presidente do Sinal, Fabio Faiad, estes cargos são responsáveis por uma série de aprovações e publicações oficiais da autoridade monetária.

Leia também:

“São eles quem autorizam que as tarefas sejam feitas. Sem esses cargos, publicações não serão realizadas e diversos processos não serão aprovados”, afirma.

Segundo a entidade, o salário dos servidores não é reajustado há três anos. O movimento pede aumento de 26,3%, o equivalente ao acumulado pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de janeiro de 2019 até o fim de 2021, mais a previsão de 5,02% para a inflação em 2022, segundo a mediana do Boletim Focus.

Faiad afirma que a categoria está em contato com o presidente do BC, Roberto Campos Neto, desde dezembro, mas que não houve retorno. Procurada pela reportagem da Jovem Pan, a autarquia afirmou que não vai se manifestar sobre a mobilização.

PUBLICIDADE

De acordo com o sindicalista, as tentativas de contato serão retomadas nos próximos dias. Caso não haja avanço nas negociações, o sindicato afirma que deve promover uma paralisação geral sem tempo determinado ainda no final de janeiro ou em fevereiro.

“A negociação [por reajustes] é um processo longo. Na segunda semana de janeiro vamos avaliar a situação”, afirma Faiad.

O Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), que reúne 37 entidades associativas e sindicais e representa mais de 200 mil servidores públicos, aprovou no fim de dezembro uma série de mobilizações em janeiro e em fevereiro para pressionar o governo por reajustes salariais.

O movimento foi deflagrado após a aprovação de R$ 1,7 bilhão para aumento salarial de servidores da Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Na quinta-feira, 30, ao menos 951 auditores fiscais da Receita Federal entregaram cargos de chefia, segundo o balanço do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais (Sindifisco).

De acordo com a entidade, mais de 90% do efetivo aderiram à paralisação. Em dezembro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, se mostrou contrário ao aumento generalizado dos servidores públicos e classificou a ação como uma “desonra com as futuras gerações”.

PUBLICIDADE

O chefe da equipe econômica, no entanto, afirmou que a situação difere para alguns setores, que podem passar por uma reforma administrativa. “Eu entendo que é diferente do que está sendo conversado a respeito da reestruturação de uma carreira só. Isso já aconteceu antes, uma reforma administrativa de um determinado setor.”

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 1