Guedes afirma que privatização da Petrobras pode ajudar o país a combater a pobreza

HomeNOTÍCIAS

Guedes afirma que privatização da Petrobras pode ajudar o país a combater a pobreza

De acordo com o ministro da Economia, dinheiro arrecadado com venda de estatais pode ir para fundos administrados pelo BNDES. O ministro da Econo

Presidente da Petrobras renuncia ao cargo em meio a pressão por alta nos combustíveis
Após apelo do governo, Petrobras busca alternativas para não aumentar preços dos combustíveis
Presidente da Petrobras diz que eleições não vão influenciar na política de preços de combustíveis
PUBLICIDADE

De acordo com o ministro da Economia, dinheiro arrecadado com venda de estatais pode ir para fundos administrados pelo BNDES.

PUBLICIDADE

O ministro da Economia do governo Bolsonaro, Paulo Guedes, voltou a defender que a Petrobras seja privatizada e declarou que seu lucro poderá financiar ações sociais no país.

De acordo com o economista, o simples fato de colocar a empresa no mercado faria com que o valor passasse de R$ 450 bilhões para R$ 750 bilhões. O governo arrecadaria mais de R$ 250 bilhões por ser dono de mais de um terço da estatal. Guedes afirma que esse dinheiro deve ser “devolvido ao povo”.

As afirmações foram feitas nesta segunda-feira, 20, durante evento de aniversário de 70 anos do Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Vamos fazer um fundo de arrecadação da pobreza, de um lado, e o fundo de reconstrução nacional de outro, com o BNDES gerindo isso”, sugeriu Guedes.

PUBLICIDADE

LEIA TAMBÉM:

“Eu quero reduzir o Estado brasileiro, fazer uma transformação nesse capital público, em vez dele estar em formato de ações e empresas. Ter uma hidrelétrica nova do fundo de reconstrução nacional ou um repasse de recursos para erradicar a pobreza, uma transferência de renda, investindo no capital humano e nos mais frágeis”, completou.

Guedes ainda disse que os servidores públicos devem ter aumento de salário no próximo ano. Para ele, com a redução de gastos com a pandemia, o aumento da produtividade e a maior oferta de serviços digitais para a população, é possível satisfazer o funcionalismo. “Os governos passados contrataram 160 mil pessoas liquidamente.

Se aposentam, por ano, de 20 mil a 30 mil. Fizemos o contrário. Os servidores se aposentaram e nós digitalizamos os serviços. A produtividade subiu, e pode haver aumento de salário brevemente”, concluiu.

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 0