HomeNOTÍCIAS

Vendas do varejo recuam 0,6% em novembro de 2022

Avanço dos preços dos combustíveis e desempenho fraco do Black Friday determinaram resultado adverso.Sob a pressão da inflação – decorrente do a

Guedes: Brasil deverá fechar as contas no azul pela primeira vez em oito anos
Como sacar o Auxílio Brasil quando o Caixa Tem não estiver funcionando
Prévia do PIB indica crescimento de 4,5% no ano passado

Avanço dos preços dos combustíveis e desempenho fraco do Black Friday determinaram resultado adverso.

Sob a pressão da inflação – decorrente do aumento de preços dos combustíveis – aliada ao resultado frustrante da promoção anual ‘Black Friday’, as vendas do varejo nacional acabaram recuando 0,6% em novembro último, em relação ao mês anterior, conforme mostram dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nessa quarta-feira (11) de janeiro. Já em comparação com novembro de 2021, o setor apresentou alta de 1,5%, além avanço de 1,1% no saldo acumulado do ano passado, até novembro.

Após registrar três meses seguidos de crescimento, o varejo não deverá ‘engatar’ novo ciclo de expansão, uma vez que o efeito positivo decorrente da combinação de incentivos fiscais com mercado de trabalho ‘aquecido’ deve ser neutralizado pelos juros elevados e inflação idem.

Veja também

No que se refere comércio varejista ampliado (que abrange veículos, motos, partes e peças e material de construção), as vendas recuaram os mesmos 0,6% sobre o mês anterior.

Das oito atividades pesquisadas pelo instituto, seis exibiram recuo em novembro, a exemplo da redução de 5,4% do volume de vendas de combustíveis e lubrificantes, e de 3,4% para equipamentos e material para escritório, informática e comunicação.

O gerente da pesquisa, Cristiano Santos, acentua que “novembro foi o primeiro mês em que os preços dos combustíveis voltaram a crescer após uma sequência de deflação que se iniciou em julho do ano passado”, explicou o gerente da pesquisa, Cristiano Santos. Na mão inversa, enquanto vigorou, a redução da alíquota do ICMS sobre os combustíveis, no ano passado, contribuiu para ‘segurar’ os preços da economia, pelo menos, por alguns meses.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
    DISCUS: 0