Uma brutal onda de calor de temperatura extremamente elevada e por período prolongado atingirá o Centro da América do Sul nesta segunda semana de janeiro

HomeNOTÍCIAS

Uma brutal onda de calor de temperatura extremamente elevada e por período prolongado atingirá o Centro da América do Sul nesta segunda semana de janeiro

De acordo com o site Metsulmeteorologia são esperadas marcas extremas de temperatura em grande parte da Argentina, Uruguai, no Sul do Brasil e Paragua

Pabllo Vittar enaltece Lula e programa extinto por Bolsonaro
Servidores do BC se mobilizam para entregar cargos e anunciam paralisação para dia 18
Programa de Incentivo à Redução Voluntária do Consumo de Energia Elétrica
PUBLICIDADE

De acordo com o site Metsulmeteorologia são esperadas marcas extremas de temperatura em grande parte da Argentina, Uruguai, no Sul do Brasil e Paraguai.

PUBLICIDADE

Uma brutal onda de calor de temperatura extremamente elevada e por período prolongado atingirá o Centro da América do Sul nesta segunda semana de janeiro. Recordes de máximas de décadas devem cair nos territórios uruguaio e argentino que devem sofrer o pior da onda de calor, mas marcas históricas também podem ser alcançadas no Rio Grande do Sul.

Todos os modelos numéricos de previsão do tempo convergem em indicar um evento de calor com força incomum com valores de temperatura muitíssimo acima da climatologia normal do mês de janeiro com máximas que podem alcançar valores de 10ºC a 15ºC acima das médias históricas desta época do ano.

Será a segunda onda de calor generalizada na parte central da América do Sul desde o começo do verão e mais forte que a da virada do ano que chegou a ter máxima de 46,6ºC em Rivadavia, na Argentina.

PUBLICIDADE

Leia também:

O que os modelos discrepam é sobre a magnitude da onda de calor. Projeções do modelo GFS da NOAA (EUA), que é base para prognósticos automáticos de muitos aplicativos e sites, com máximas de 45ºC a 50ºC numa extensa área que compreende o Rio Grande do Sul, Argentina e Uruguai, não encontram sustentação em outros modelos e parecem claramente superdimensionar a intensidade do calor.

No melhor cenário, conforme as simulações feitas por supercomputadores, a onda de calor seria muito intensa. No pior, o evento de calor teria magnitude sem precedentes na história recente em várias localidades com temperatura jamais vista em décadas com quebra de vários recordes de temperatura máxima na região a partir de marcas próximas ou acima de 40ºC de forma generalizada e acima de 45ºC em alguns pontos.

Os dados, em geral, indicam que o pior do calor ocorrerá na Argentina e no Uruguai, onde os desvios em relação à climatologia histórica devem ser maiores e imensos, entretanto o Rio Grande do Sul vai sentir com muita força o episódio, especialmente em cidades do Oeste e do Sul do estado que estarão mais próximas do centro da bolha de calor.

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 0