HomeNOTÍCIAS

Um terço das crianças brasileiras serão obesas até 2035, aponta pesquisa

Um terço das crianças brasileiras serão obesas até 2035, aponta pesquisa

Especialista alerta para os dados e explica como experiência sensorial pode romper barreiras e estimular o paladar da garotada para uma comida mais sa

Ficar uns minutos sob o Sol traz benefícios para saúde e o emocional
Entenda os sinais do seu corpo durante o exercício: tontura, enjoo e bocejos
Dengue pode ser transmitida através de relações sexuais?

Especialista alerta para os dados e explica como experiência sensorial pode romper barreiras e estimular o paladar da garotada para uma comida mais saudável.

As guloseimas fazem parte da vida da garotada que não dispensa um lanche ou até um docinho, mas alguns dados e estudos vem trazendo um alerta importante sobre a saúde de crianças e jovens do Brasil. Segundo dados do Ministério da Saúde, a obesidade infantil já afeta mais de 3 milhões de crianças menores de 10 anos no Brasil

O alerta não para por aqui. De acordo com o Atlas Mundial da Obesidade de 2023, os dados existentes apontam que até 2020 cerca de 12,5% das meninas no país e 18% dos meninos eram obesos. O levantamento ainda revela uma perspectiva de futuro preocupante, porque com base nas tendências atuais, até 2035, esses índices podem chegar a 23% e 33%, um aumento de 84% e 83,3%, respectivamente.

Este estudo publicado pela Federação Mundial da Obesidade prevê que a obesidade infantil pode ser maior que o dobro até 2035 (em relação aos níveis de 2020), já que o cenário pode aumentar rapidamente entre as crianças.

Dividindo o mapa da obesidade infantil no Brasil, atualmente, a região Sul do país lidera o ranking com 11,52% de crianças acima do peso entre 5 a 10 anos. O segundo lugar no ranking é ocupado pelo Sudeste, com 10,41%; seguido pelo Nordeste, com 9,67%; Centro-Oeste, com 9,43%; e Norte, com 6,93%. Estes dados são disponibilizados através do levantamento realizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de cada região, levando em conta o acompanhamento médico de pediatria. A estimativa atual é que 6,4 milhões de crianças tenham excesso de peso no Brasil e 3,1 milhões já evoluíram para obesidade.

Essa epidemia global de obesidade é um grave problema de saúde pública que causa mais mortes do que a desnutrição em todo o mundo. Então, para mudar este cenário é preciso estimular o consumo de produtos ultraprocessados para crianças e adolescentes e apresentá-los aos alimentos saudáveis. Mas, afinal, como fazer isso de forma a estimular os sentidos e não gerar resistência com os alimentos que normalmente a criançada não gosta?

LEIA TAMBÉM

Mulher cai em golpe e paga 3 mil reais por bandeja de ovo em Araras, SP

Justiça condena banco a devolver mais de R$ 27 mil para idoso que caiu no golpe da falsa central telefônica

Olha o golpe! Criminosos usam dados de cliente e música do banco para tentar enganar vítima

A fonoaudióloga especialista em motricidade oral com experiência em casos de recusa e seletividade alimentar Carla Deliberato explica que a saída pode estar em um gesto simples, mas que com a correria do cotidiano foi deixado de lado. Para ela, estimular a experiência sensorial da criança na cozinha é o caminho mais interessante e saudável. “Levar a criança para cozinha, apresentar os alimentos por meio de uma receita, estimular para que ela sinta e manuseie um ingrediente pode despertar a curiosidade e também o apetite”, explica.

Além de marcar a infância da criança de uma forma participativa, a criança tende a se interessar mais pelo alimento que está mexendo. “Muitos pais simplesmente dão, por exemplo, uma banana amassada para a criança comer. Ao invés disso, porque não sentar com a criança,descascar a fruta, deixar com que a criança toque o alimento e se interesse por ele?, questiona ela.

Carla, que se tornou “especialista” no assunto, chegou ao tema justamente por viver com a filha essa experiência de recusa alimentar na prática. “Minha filha tinha dificuldade de se alimentar, eu busquei nos estudos me aprofundar mais sobre esse desafio que é tão comum na fase inicial da vida de qualquer criança. O caminho é essa construção de experiências que os pais podem promover e vivenciar com os filhos na cozinha”.

Sobre Carla Deliberato: 

Carla Deliberato é fonoaudióloga formada pela PUC-SP desde 2003, com vasta experiência em atendimento clínico, hospitalar e domiciliar de pacientes com dificuldades alimentares (disfagia, recusa alimentar e seletividade alimentar), sequelas neurológicas e oncológicas do câncer de cabeça e pescoço, síndromes, além de atuação em comunicação alternativa e voz.

Tem passagem pelo Instituto do Desenvolvimento Infantil, Clínica Sainte Marie, Hospital Israelita Albert Einstein, Associação de Valorização e Promoção do Excepcional (AVAPE), Associação para Deficientes da Áudio-Visão (ADefAV), Unidade de Vivência e Terapia (UVT), entre outras instituições.

Passou a entender e atuar com recusa e seletividade alimentar por conta da maternidade, quando descobriu que a segunda filha, a Isabela, tinha resistência aos alimentos, além de sofrer com náuseas recorrentes durante o processo de introdução alimentar.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
    DISCUS: