Supermercados querem isenção de impostos na cesta básica

HomeNOTÍCIAS

Supermercados querem isenção de impostos na cesta básica

Medida foi sugerida pela Abras ao ministro da Economia, Paulo Guedes. Após o presidente Jair Bolsonaro pedir a empresários que “reduzam um pouc

Cortaram a luz de casa; como proceder?
Sérgio Mallandro viraliza com enquete de eleição presidencial
Petrobras reajusta preço da gasolina em 5,2% e do diesel em 14,3%
PUBLICIDADE

Medida foi sugerida pela Abras ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

PUBLICIDADE

Após o presidente Jair Bolsonaro pedir a empresários que “reduzam um pouco o lucro” de alimentos, a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) se manifestou sobre o tema.

Em nota, a entidade informou que se reuniu com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e sugeriu a isenção de impostos de produtos da cesta básica, além da desoneração da folha de pagamentos.

A Abras informou que a reunião ocorreu na terça-feira (7) de junho e contou com a participação de 50 empresários do setor de varejo. Todos se comprometeram a repassar qualquer redução nos valores aos consumidores.

PUBLICIDADE

LEIA TAMBÉM:

O pedido de Bolsonaro foi feito em evento promovido pela associação nesta quinta (9) de junho.

“O apelo que eu faço aos senhores, para toda a cadeia produtiva, é que os produtos da cesta básica, cada um obtenha o menor lucro possível, para a gente poder dar uma satisfação a uma parte considerável da população, em especial aos mais humildes”, disse o presidente.

Ainda no mesmo evento, Guedes pediu aos supermercados que dessem “um freio na alta de preços”.

“Eu encerro reforçando o pedido, que é o seguinte: agora é hora de dar um freio nessa alta de preços. É voluntário, é para o bem do Brasil. Da mesma forma que os governadores têm que colocar a mão no bolso e ajudar o Brasil, o empresariado brasileiro tem que entender o seguinte: devagar agora um pouco porque a gente tem que quebrar essa cadeia inflacionária. (…) Nova tabela de preços só em 2023. Trava os preços. Vamos parar de aumentar os preços por dois ou três meses. Estamos em uma hora decisiva para o Brasil”, ressaltou o ministro.

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 0