Petrobras reajusta preço da gasolina em 5,2% e do diesel em 14,3%

HomeNOTÍCIAS

Petrobras reajusta preço da gasolina em 5,2% e do diesel em 14,3%

Preço médio de venda do litro da gasolina na refinaria passará de R$ 3,86 para R$ 4,06, enquanto o do diesel vai de R$ 4,91 para R$ 5,61; novas tarifa

iFood paga vale-gasolina de até R$ 150 aos motoristas
Litro da gasolina fica 2,9% mais caro nos postos de combustíveis em abril
Anuncio de novo aumento da gasolina e do diesel
PUBLICIDADE

Preço médio de venda do litro da gasolina na refinaria passará de R$ 3,86 para R$ 4,06, enquanto o do diesel vai de R$ 4,91 para R$ 5,61; novas tarifas passam a valer no sábado, (18) de junho.

PUBLICIDADE

A Petrobras anunciou, na manhã desta sexta-feira, 17, um novo reajuste dos preços da gasolina e do diesel. O preço do litro da gasolina vai de R$ 3,86 para R$ 4,06, um salto de 5,18% – o último aumento ocorreu há mais de três meses, no dia 11 de março. O do diesel, por sua vez, vai de R$ 4,91 para R$ 5,61 por litro – 14,26% de alta.

A última mudança desta tarifa havia sido feita no dia 10 de maio. As novas tarifas passam a valer no sábado, 18. “A companhia tem buscado o equilíbrio dos seus preços com o mercado global, mas sem o repasse imediato para os preços internos da volatilidade das cotações internacionais e da taxa de câmbio. Esse posicionamento permitiu à Petrobras manter preços de GLP estáveis por até 152 dias; de diesel por até 84 dias; e de gasolina por até 99 dias”, diz nota da estatal.

“Com esse movimento, a Petrobras reitera seu compromisso com a prática de preços competitivos e em equilíbrio com o mercado, ao mesmo tempo em que evita o repasse imediato para os preços internos da volatilidade das cotações internacionais e da taxa de câmbio, ou seja, evita o repasse das variações temporárias que podem ser revertidas no curto prazo.

PUBLICIDADE

LEIA TAMBÉM:

Dessa maneira, observando a evolução do mercado, foi possível manter os preços de venda para as distribuidoras estáveis por 99 dias para a gasolina e 39 dias para o diesel”, diz outro trecho do comunicado.

Dados da Associação Brasileira dos Importadores e Combustíveis (Abicom) mostram que a defasagem chega a 18% no diesel e de 14% na gasolina frente às cotações internacionais. Com os preços defasados em relação ao exterior, a Petrobras tem sofrido pressão do governo para manter a gasolina e o diesel congelados até as eleições, enquanto o mercado espera que a empresa prossiga com a sua política de preço de paridade de importação (PPI).

O anúncio de reajuste ocorreu minutos depois de o presidente Jair Bolsonaro voltar a criticar a Petrobras. Pelo Twitter, o mandatário do país afirmou que a estatal “pode mergulhar o Brasil em um caos”. “O Governo Federal como acionista é contra qualquer reajuste nos combustíveis, não só pelo exagerado lucro da Petrobrás em plena crise mundial, bem como pelo interesse público previsto na Lei das Estatais. A Petrobrás pode mergulhar o Brasil num caos.

Seus presidente, diretores e conselheiros bem sabem do que aconteceu com a greve dos caminhoneiros em 2018, e as consequências nefastas para a economia do Brasil e a vida do nosso povo”, escreveu o chefe do Executivo federal. Em sua live semanal, na noite da quinta-feira, 16, Bolsonaro já havia dito que a empresa estava “rachando de ganhar dinheiro” enquanto o povo sofre.

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 0