Pesquisa aponta que 70% das crianças passam pelo menos 3 horas diárias no celular

HomeNOTÍCIAS

Pesquisa aponta que 70% das crianças passam pelo menos 3 horas diárias no celular

Estudo foi realizado com 11 mil famílias, em 20 países, incluindo o Brasil; neuropsicóloga alerta para as consequências do uso excessivo de eletrônico

Crimes virtuais aumentam, e país registra uma tentativa de fraude a cada sete segundos
TSE e Telegram formalizam parceria de enfrentamento a desinformação
Pessoas passam a querer comprar presentes pela internet
PUBLICIDADE

Estudo foi realizado com 11 mil famílias, em 20 países, incluindo o Brasil; neuropsicóloga alerta para as consequências do uso excessivo de eletrônicos.

PUBLICIDADE

Pesquisa aponta que 70% das crianças passam pelo menos 3 horas diárias no celular. A microbiologista Cristina Rossatti pretendia dar um celular para o filho Lorenzo apenas quando ele completasse 12 anos.

No entanto, a pandemia acelerou o processo. Com as aulas remotas, a família sentiu a necessidade de adiantar o presente.

“Até foi bem, ele amadureceu bastante. Não fico em cima dele com tarefa escolar, ele dá conta, estuda certinho quando tem prova. É uma coisa que realmente não fico em cima”, afirma.

Leia também:

No entanto, Cristina conta, que ela e o esposo ficam atentos ao tempo e ao conteúdo acessado pelo filho na internet.

PUBLICIDADE

Uma pesquisa internacional realizada com 11 mil responsáveis por crianças entre 7 e 12 anos, em 20 países, entre eles o Brasil, revelou que 70% das crianças e 82% dos pais passam pelo menos três horas diárias no celular.

A neuropsicóloga Deborah Moss alerta que o uso abusivo do celular pode trazer comprometimento para a socialização e desenvolvimento cognitivo.

“A criança precisa explorar o mundo de uma forma física, precisa de espaço para se desenvolver motoramente. Se fica muito restrita ao celular, é uma atividade muito solitária, muito passiva e que ela perde a oportunidade de interagir com o ambiente.

Tem crianças com dificuldades da escrita, psicomotora, por falta de estímulos do corpo no espaço”, pontua. Deborah destaca ainda que os pais são exemplos para os filhos.

Por isso, não adianta definir limites para as crianças, se o comportamento do responsável for o oposto.

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 0