Personal que bateu em morador de rua: ‘Casamento continua’

HomeNOTÍCIAS

Personal que bateu em morador de rua: ‘Casamento continua’

Eduardo Alves deu mais detalhes sobre episódio de traição. O personal trainer que virou notícia no país após agredir um morador em situação de rua qu

Homem é preso ao pegar carro da polícia para comprar lanche
Homem é visto invadindo casa para cheirar e vestir calcinhas
Proibido de usar celular, menino de 13 anos mata mãe e irmão
PUBLICIDADE

Eduardo Alves deu mais detalhes sobre episódio de traição.

PUBLICIDADE
O personal trainer que virou notícia no país após agredir um morador em situação de rua que estava tendo relações sexuais com sua esposa, Sandra Mara, revelou ao jornalista Leo Dias, do Metrópoles, que seu casamento continua de pé após o episódio. Eduardo Alves afirmou que sua esposa sofreu um surto psiquiátrico e está se tratando em uma clínica.

O caso aconteceu em Planaltina, no Distrito Federal.

“Os médicos falaram que ela teve um surto, e ela não está conseguindo responder por si. Ela está sendo tratada, segue acordada e está sob uso de medicamento. Mas ela ainda não está tendo seu senso crítico”, informou Eduardo.

Questionado sobre o futuro da união com Sandra Mara, o personal afirmou que confia na esposa e que não há o que perdoar, uma vez que a ação dela não ocorreu, segundo ele, quando a mulher estava com suas faculdades mentais íntegras.

“A questão do meu casamento não é o momento de se tomar uma decisão. Tenho que continuar a amparar ela, e até a mim mesmo, pois tenho confiança nela. A ideia é retomar minha vida normal. Quando ela começar a receber essa carga externa, [espero que a situação] esteja bem mais pacífica”, declarou.

Leia também:

Entenda o caso

Em Planaltina (DF), um personal trainer foi acusado de agredir um morador de rua. Segundo informações da coluna Na Mira, do portal Metrópoles, Eduardo Alves, de 31 anos, teria flagrado a própria esposa tendo relações sexuais com o mendigo. O caso aconteceu na madrugada da última quinta-feira (10).

Câmeras de monitoramento registraram as agressões. A companheira de Eduardo e a sogra dele saíram de casa para ajudar o morador de rua. Depois, as duas teriam se separado.

PUBLICIDADE

Sem conseguir contato com a mulher via telefone, o personal foi até um Centro de Ensino Fundamental Paroquial. Ao se aproximar, ele viu o carro usado pela esposa dele. Eduardo flagrou a companheira e o homem fazendo sexo dentro do veículo.

Ele disse à Polícia Civil do DF (PCDF) que acreditou que se tratava de um estupro. Porém, a esposa dele disse aos agentes que as relações foram consentidas.

A mulher contou ainda aos policiais que tinha interesse em ajudar pessoas vulneráveis por meio da igreja. Além disso, ela teria dito a um amigo, que havia recebido uma “mensagem de Deus” para ajudar o homem com quem foi flagrada.

Todos os envolvidos foram para a 16ª Delegacia de Polícia (Planaltina), que está responsável por investigar o caso.

O morador de rua foi levado a um hospital. Ele estava com os dois olhos roxos, mas passa bem.

Eduardo prestou depoimento e foi liberado, mas poderá responder por lesão corporal.

Em nota à coluna, o personal voltou afirmar que sua mulher tinha sido vítima de violência sexual. De acordo com Eduardo, sua mulher estava em surto psicótico.

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 0