No aniversário da ‘Lei Seca’, Detran-SP registra maior índice de recusa ao teste do bafômetro da história

HomeNOTÍCIAS

No aniversário da ‘Lei Seca’, Detran-SP registra maior índice de recusa ao teste do bafômetro da história

A ‘Lei Seca’ completou 14 anos no domingo, 19, em meio ao aumento do índice de recusa ao teste do etilômetro (bafômetro) em São Paulo, que alcançou o

Acidentes de trânsito mataram 5.381 pessoas em 2021
Publicar rachas e outros conteúdos de infrações no trânsito será punido com multa
Emplacamentos de carros e comerciais leves despencam em um ano; venda de motos dispara
PUBLICIDADE

A ‘Lei Seca’ completou 14 anos no domingo, 19, em meio ao aumento do índice de recusa ao teste do etilômetro (bafômetro) em São Paulo, que alcançou o maior patamar registrado desde 2016.

PUBLICIDADE

Em comunicado divulgado nesta segunda-feira, 20, o Detran-SP revelou que o índice de recusa ao teste do etilômetro (bafômetro) alcançou o maior patamar já registrado pelo órgão, que mede o número de infrações desde 2016. Popularmente conhecida como “Lei Seca”, a lei federal 11.705 completou 14 anos neste domingo, 19.

Apenas no primeiro semestre de 2022, 2.193 condutores foram autuados no Estado por não aceitarem realizar o teste durante a fiscalização. Até então, o maior índice havia ocorrido no primeiro semestre de 2018, quando houve a autuação de 2.035 motoristas pela recusa.

Caso o motorista faça o teste e o etilômetro aponte até 0,33 miligramas de álcool por litro de ar expelido, ele responde a processo administrativo. Já o condutor que apresenta mais de 0,34 miligramas de álcool por litro de ar expelido responde na Justiça por crime de trânsito. Se condenado, a pena é de seis meses a três anos de prisão. Dirigir sob a influência de álcool e recusar-se a soprar o bafômetro são consideradas infrações gravíssimas, de acordo com os artigos 165 e 165-A do Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

LEIA TAMBÉM:

No mês passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) revalidou o artigo do CTB que impõe a aplicação de multa, a retenção e a apreensão da CNH por um ano a motoristas que se recusem a fazer teste do bafômetro, exames clínicos ou perícias visando aferir a eventual influência de álcool ou outra substâncias psicoativas. O colegiado também manteve a proibição da venda de bebidas alcoólicas em estabelecimentos às margens das rodovias federais após analisar três ações que questionavam a constitucionalidade da lei e alegavam que impor a multa aos motoristas que se recusam a fazer o teste seria uma medida arbitrária, já que a rejeição ao procedimento não garante que o habilitado estava de fato embriagado.

PUBLICIDADE

Duas ações são de 2008, e foram apresentadas pela Confederação Nacional do Comércio (CNC) e pela Associação Brasileira de Restaurantes e Empresas de Entretenimento (Abrasel). A terceira ação é de 2019, e se refere a um Recurso Extraordinário do Detran do Rio Grande do Sul a respeito de uma decisão do Tribunal de Justiça do Estado (TJ-RS) que foi favorável a um motociclista que se recusou a fazer o teste. Os ministros Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Luiz Fux, Alexandre de Moraes, André Mendonça, Cármen Lúcia, Roberto Barroso e Rosa Weber votaram por manter o texto como está.

No Carnaval de 2013, o Detran-SP criou o Programa Operação Direção Segura Integrada (ODSI). Desde então, foram realizadas a fiscalização de 424.412 veículos, constatando 8.304 infrações e 1.896 crimes de trânsito, em um total de 1.622 operações.

A respeito do aumento da recusa ao teste do bafômetro, Mauro Voltarelli, gerente de educação para o trânsito do Detran-SP, alerta para os perigos de dirigir alcoolizado: “Beber e dirigir é um risco tremendo.

Além da diminuição do reflexo, a perda do campo de visão, tempo de tomada de decisão, o álcool também vai influenciar o motorista a tomar outras atitudes errôneas e perigosas no trânsito, como exceder a velocidade, usar o celular enquanto dirige, passar o sinal vermelho, então bebida e direção é muito ruim para o trânsito, por si só e pelo que pode acarretar”.

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 0