HomeNOTÍCIAS

Mulher recebe indenização após ter reajuste no vale-transporte negado

Funcionária foi demitida por justa causa após faltar ao trabalho por não receber reajuste no vale-transporte.Uma mulher que trabalhava em uma as

Se você faz estas cinco coisas, você é ruim de motorista
Após quase 20h de viagem, Igreja Avivamento Profético visita famílias necessitadas no Vale do Jequitinhonha, uma das regiões mais pobres do Brasil
Mulher forja própria morte na Indonésia para fugir de dívida de R$ 1.400

Funcionária foi demitida por justa causa após faltar ao trabalho por não receber reajuste no vale-transporte.

Uma mulher que trabalhava em uma associação de moradores acabou mudando de endereço para um local mais distante do trabalho, porém, quando foi solicitar um reajuste no vale-transporte, a atualização foi negada.

Diante disso, ela resolveu entrar com um processo contra seus empregadores, tendo conseguido uma decisão favorável do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-SP). A decisão se deu porque é obrigação do empregador fornecer o valor suficiente para o empregado ir até o serviço.

De acordo com seu relato, ela teria avisado ao empregador que havia trocado de endereço e solicitado um aumento na verba destinada à compra de vale-transporte, porém, na oportunidade, ouviu de seu empregador que o valor continuaria sendo o mesmo.

Impossibilitada de pagar todos os transportes de que precisava para se deslocar até o serviço, a mulher começou a faltar com certa frequência, até que o pior cenário aconteceu: ela foi demitida por justa causa.

Veja também

Indignada por não receber seus direitos trabalhistas, a mulher entrou na Justiça contra o empregador e solicitou uma revisão, já que seria obrigação dele garantir seu transporte de forma integral.

Em sua defesa, o empregador alegou que não era obrigado a complementar o valor, já que a funcionária não tinha apresentado um comprovante do novo trajeto, e ainda disse que ela não estava cumprindo com suas obrigações.

A desembargadora Maria José Bighetti Ordoño não aceitou essa justificativa para a demissão por justa causa, pois o empregador “deixou de fornecer corretamente o vale-transporte, descumprindo obrigação legal inerente ao vínculo de emprego”.

O empregador havia acusado a funcionária de abandono de emprego, acusação que a magistrada rejeitou, dando o direito à mulher de receber a rescisão indireta de contrato, bem como todos os direitos trabalhistas que lhe foram negados.

Sendo assim, o empregador teve de entregar as guias de seguro-desemprego e as verbas rescisórias, bem como retificar a demissão, excluindo a justa causa.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
    DISCUS: 0