HomeNOTÍCIAS

Moro consegue assinaturas para tentar ‘desengavetar’ prisão em 2ª instância

O requerimento para desarquivar a proposta precisa agora ser votado pelo plenário do Senado, onde precisa de maioria simples, ou 41 dos 81 senadores.

Partido de Bolsonaro elege maior bancada do Congresso Nacional
Presidente Lula volta a criticar Israel e diz que país pratica genocídio em Gaza
Presidente Lula determina liberação de R$ 10 bilhões em emendas para deputados e senadores

O requerimento para desarquivar a proposta precisa agora ser votado pelo plenário do Senado, onde precisa de maioria simples, ou 41 dos 81 senadores.

O senador e ex-juiz Sergio Moro (União Brasil) conseguiu reunir as 27 assinaturas necessárias para pedir o desarquivamento da proposta que prevê a prisão de condenados em segunda instância pela Justiça. A proposta fazia parte do chamado “pacote anticrime”, lançado por Moro quando era ministro da Justiça do governo Bolsonaro, em 2019, e chegou a ser aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado, mas acabou arquivada sem avançar.

Em 2019, o Supremo Tribunal Federal reviu decisão anterior, e proibiu a prisão após condenação em segunda instância, apontando que a Constituição estabelece que “ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”. Isso permitiu que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deixasse a prisão e abriu caminho para que ele vencesse a eleição de 2022 e voltasse ao Palácio do Planalto, após o STF também declarar a suspeição de Moro no julgamento de processos contra o petista e anulasse as condenações.

O requerimento para desarquivar a proposta precisa agora ser votado pelo plenário do Senado, onde precisa de maioria simples, ou 41 dos 81 senadores. “Agora temos um desafio maior, que é levar o projeto de lei ao plenário e ter aprovação. Mas é preciso estudar o melhor momento político para isso”, afirmou Moro ao Uol.

Veja também

Na Câmara, o deputado federal e ex-procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol (Podemos) também apresentou um requerimento pedindo a criação de uma comissão para discutir o mesmo assunto.

Moro pediu o desarquivamento do projeto PLS 166/2018, que trata o assunto e foi retirado do chamado “pacote anticrime”, apresentado por ele quando era ministro da Justiça do governo Bolsonaro. Já Dallangol protocolou requerimento pedindo a abertura de uma comissão especial para analisar a Proposta de Emenda Constitucional 199 de 2019, que trata do mesmo tema.

A prisão após condenação em segunda instância era uma das bandeiras da operação Lava Jato – onde Moro e Dallagnol atuaram, o primeiro como juiz, o segundo como procurador e coordenador da força-tarefa. A proposta também foi uma das principais bandeiras da campanha eleitoral de ambos.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
    DISCUS: 0