Mais caro que Jeep Renegade, Fiat Doblò sai de linha depois de 20 anos na mesma geração

HomeNOTÍCIAS

Mais caro que Jeep Renegade, Fiat Doblò sai de linha depois de 20 anos na mesma geração

Foram mais de 160 mil unidades vendidas desde 2001; sem atualizações há muito tempo, monovolume sai de cena de forma discreta. Fiat Doblò

PAT oferece mais de 18 vagas de emprego em diversas áreas na cidade de Araras, SP
Lucro FGTS já está na conta: veja como consultar e quem pode sacar
Brasil não está entre os 50 países com a gasolina mais cara do mundo
PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Fiat Doblò sai de linha depois de 20 anos. Depois de Mitsubishi Pajero Full e Volkswagen Fox, outro Highlander deixará o mercado brasileiro até o final do ano. O veterano da vez a se despedir é o Fiat Doblò, lançado há 20 anos e, desde então, à venda na mesma geração.

Lançado no Brasil no final de 2001, o modelo teve mais de 160 mil unidades emplacadas. Porém, apenas 12 em novembro. As vendas baixas são um indicativo de que o fim está próximo.

Outro sinal é que o motor 1.8 usado pelo modelo está saindo de linha no país – ele seguirá em produção em Campo Largo (PR), mas apenas para exportação. Fontes ouvidas por Autoesporte dizem que a produção do Doblò em Betim (MG) já foi encerrada. Não haverá série especial de despedida.

Leia também:

Referência em espaço interno e versatilidade, o Doblò estava longe de ser considerado um carro moderno. Um indicativo disso é que seu melhor ano nas vendas foi o distante 2013, quando emplacou pouco mais de 13 mil unidades. De lá pra cá, os números caíram de forma sucessiva. O ponto mais baixo foi 2020, com 3.342 veículos comercializados.

Uma das explicações é o preço alto. Ainda no site da Fiat, o Doblò aparece em versão única, partindo de R$ 115.990. Em troca, o cliente leva pouco mais do que o básico. Há vidros e travas elétricos, direção hidráulica, ar-condicionado, computador de bordo e desembaçador do vidro traseiro.

Rádio, rodas de liga leve, ajustes elétricos dos retrovisores, limpador traseiro, sensor de estacionamento, faróis de neblina e comandos de som no volante são oferecidos como opcionais, por R$ 4.550. Adicionando pintura metálica, a etiqueta acusa R$ 123.440.

PUBLICIDADE

Tudo isso por um carro que não tem central multimídia, controles de tração e estabilidade, ar-condicionado digital, faróis com acendimento automático, câmbio automático e câmera de ré.

A cifra é mais alta do que o moderno Jeep Renegade Sport com todos os opcionais (R$ 114.120). É mais caro também do que a única concorrente direta, Chevrolet Spin, que não passa de R$ 120 mil.

Aula de versatilidade

Hoje ultrapassado, o Doblò foi, durante muitos anos, a forma mais prática de levar 7 pessoas.

Afinal, com 4,25 metros de comprimento, o monovolume é apenas um pouco maior do que um hatch pequeno. Apesar do porte compacto, e do discreto entre-eixos de 2,56 m, tem um enorme porta-malas de 665 litros.

Mesmo com os dois bancos extras montados no compartimento, permitia acomodar malas pequenas. A profusão de porta-objetos na cabine e a posição de dirigir mais alta agradavam em cheio às famílias mais numerosas.

O que nem sempre agradava era o desempenho. Principalmente nas motorizações menos potentes, como o 1.3 16V Fire de 80 cv da época do lançamento e o 1.4 8V Fire de 86 cv lançado anos depois.

Ao longo dessas duas décadas, o Doblò ainda foi oferecido com motores 1.6 16V de 106 cv, 1.8 8V de 114 cv e o atual 1.8 16V de 132 cv. Esse último, o grande “culpado” pela morte do monovolume, já que não atende à legislação de ruídos e emissões que entra em vigor em 1º de janeiro.

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 0