HomeNOTÍCIAS

Inadimplência aumenta 0,56% em janeiro, dizem CNDL e SPC Brasil

Número de endividados chegou a 65,19 milhões de pessoas no primeiro mês do ano.O número de inadimplentes no Brasil voltou a crescer em janeiro d

Brasileiro preso explica origem de carne humana em sua mala
Ligação de celular para o Chile não terá cobrança de roaming a partir de 2023
Brasileiros sofrem uma tentativa de fraude a cada 7 segundos

Número de endividados chegou a 65,19 milhões de pessoas no primeiro mês do ano.

O número de inadimplentes no Brasil voltou a crescer em janeiro de 2023, chegando a 65,19 milhões de pessoas devedoras, alta de 0,56% em relação a dezembro de 2022. Os dados são do levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Segundo a análise, quatro em cada dez brasileiros adultos (40,15%) estavam negativados em janeiro deste ano. Já o volume de consumidores com contas atrasadas cresceu 7,74% em relação ao mesmo período de 2022. O crescimento do indicador anual se concentrou no aumento de inclusões de devedores com tempo de inadimplência de 91 dias a 1 ano (16,30%).

O número de devedores com participação mais expressiva no país em janeiro está na faixa etária de 30 a 39 anos (23,85%). A inadimplência segue bem distribuída no recorte por gênero: 50,88% mulheres e 49,12% homens.

LEIA TAMBÉM

Mulher cai em golpe e paga 3 mil reais por bandeja de ovo em Araras, SP

Justiça condena banco a devolver mais de R$ 27 mil para idoso que caiu no golpe da falsa central telefônica

Olha o golpe! Criminosos usam dados de cliente e música do banco para tentar enganar vítima

Em média, a dívida por consumidor em janeiro era de R$ 3.883,63 e a inadimplência era para 2,02 empresas credoras. Os dados ainda mostram que cerca de três em cada dez consumidores (32,88%) tinham dívidas de até R$ 500, percentual que chega a 47,34% quando se fala de dívidas de até R$ 1 mil.

De dezembro para janeiro, houve elevação de 1,42% no número de dívidas no Brasil. Em relação a janeiro de 2022, a alta foi 17,87%. Entre os destaques estão as dívidas com os bancos, com crescimento interanual de 29,93%, seguidas por água e luz (+11,66%). Na outra ponta, houve queda nas dívidas em atraso de comunicação (-10,25%) e comércio (-3,80%).

Os bancos são o setor credor com maior concentração de dívidas no país (63,04%), seguido por comércio (11,78%), água e luz (10,80%) e comunicação (7,67%).

*AE

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
    DISCUS: 0