Comer pipoca de micro-ondas em excesso pode causar Alzheimer

HomeNOTÍCIAS

Comer pipoca de micro-ondas em excesso pode causar Alzheimer

Composto que dá cheiro e gosto amanteigado ao produto poderia causar danos à saúde. Um estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Química

Onze estados registram mortes pela variante H3N2 da influenza
Felipe Neto diz que segue como ‘morto’ no banco de dados do Ministério da Saúde
Anticoncepcional masculino aposta em acabar com movimentação de espermatozoides
PUBLICIDADE

Composto que dá cheiro e gosto amanteigado ao produto poderia causar danos à saúde.

PUBLICIDADE

Um estudo realizado por pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP apontou que o consumo excessivo de pipoca de micro-ondas pode causar danos cerebrais, incluindo o Mal de Alzheimer, além de câncer e outros tipos de demência.

O “culpado” pelos problemas de saúde seria o diacetil, composto que dá o sabor e o cheiro amanteigados para o produto.

LEIA TAMBÉM:

No estudo, os pesquisadores encontraram moléculas ligadas ao Alzheimer no cérebro de ratos, após alimentá-los com diacetil por 90 dias, em quantidades próximas ao que seria um consumo diário normal da substância. Foram usados doze animais – seis receberam o composto e seis um placebo, como grupo de controle.

O diacetil é usado em vários setores da indústria, mas ganhou destaque no alimentício, e é aprovado por agências regulatórias. Ele pode ser encontrado de forma natural em alguns alimentos como café e cerveja, mas a concentração é bem maior nos produtos industrializados.

PUBLICIDADE

Durante as análises, nós identificamos o aumento da concentração de proteínas beta-amiloides, que normalmente são encontradas em pacientes com Alzheimer.

Além disso, outras alterações proteicas verificadas no cérebro dos ratos também podem estar relacionadas ao surgimento de demência e câncer”, explica Lucas Ximenes, doutorando do IQSC e autor da pesquisa.

Segundo o cientista, o diacetil afetou tanto os cérebros de ratos machos como os de fêmeas, e que algumas regiões do órgão foram mais comprometidas, como o hipotálamo.

Os pesquisadores planejam uma nova fase do estudo, com mais animais, para ampliar o entendimento.

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 0