Cesta básica encareceu quase 50% em três anos

HomeNOTÍCIAS

Cesta básica encareceu quase 50% em três anos

De acordo com informações óleo, café e carne estão entre os itens que mais subiram. A cesta básica encareceu quase 50% no Brasil nos últimos três anos

PIX Saque e PIX Troco começam a valer nesta segunda-feira (29)
Brasileiros gastam mais da metade da renda em contas de luz e gás
Realizar festa agora pode custar até o dobro de antes da pandemia
PUBLICIDADE

De acordo com informações óleo, café e carne estão entre os itens que mais subiram. A cesta básica encareceu quase 50% no Brasil nos últimos três anos.

PUBLICIDADE

Considerando os preços de São Paulo, a capital com a cesta básica mais cara do país, o custo do grupo de alimentos essenciais na mesa do brasileiro saltou de R$ 482,40, em fevereiro de 2019, para R$ 715,65, no segundo mês de 2022, de acordo com análises de monitoramento do Dieese, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômico.

Uma alta de 48%, que é o dobro da inflação oficial acumulada no período, que foi de pouco mais de 20%.

Na prática, significa que o consumidor perdeu poder de compra e, com o dinheiro que ganha, não está mais conseguindo levar para casa a mesma quantidade de produtos que levava em 2019.

PUBLICIDADE

A senadora do MDB do Mato Grosso do Sul, Simone Tebet, lamenta a situação econômica atual do país e diz que falta planejamento e empatia por parte do governo para reverter a situação.

LEIA TAMBÉM:

Além da falta de planejamento, a pré-candidata à presidência da República diz que os ataques recorrentes do presidente Jair Bolsonaro às instituições democráticas, como o sistema judiciário, por exemplo, prejudicam diretamente a economia e, consequentemente, a vida das pessoas.

Entre os produtos da cesta básica que mais subiram nos últimos três anos estão o óleo de soja, que encareceu 153%, o café em pó, com alta de 88% e a carne bovina, que ficou 75% mais cara no período.

Manteiga, açúcar, banana, pãozinho, tomate, farinha, arroz e leite também são itens que subiram bem mais que a inflação entre 2019 e 2022.

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 0