Carne fica mais cara para o brasileiro no mês de dezembro

HomeNOTÍCIAS

Carne fica mais cara para o brasileiro no mês de dezembro

O fim do embargo da China às importações de carne de boi brasileira, anunciado na quarta-feira (15), vai deixar as carnes mais caras para o consumidor

Pé de galinha, asa de frango e demais cortes ficam mais caro
Vendas de carne suína estão aquecidas no mercado
Exportação brasileira de brasileira de carne bovina cai 43% com embargo da China
PUBLICIDADE

O fim do embargo da China às importações de carne de boi brasileira, anunciado na quarta-feira (15), vai deixar as carnes mais caras para o consumidor final aqui? Como vai haver mais exportação, pode cair a oferta no mercado interno, aumentando o preço?

PUBLICIDADE

Carne fica mais cara para o brasileiro no mês de dezembro. Segundo especialistas do mercado agropecuário, a carne sempre sobe em dezembro por causa das festas de fim de ano, e isso deve acontecer de novo agora.

A volta das importações chinesas, no entanto, não deve pesar no bolso neste mês. Pode acontecer a partir de janeiro, quando as fazendas provavelmente vão reajustar o preço do boi vendido aos frigoríficos.

“Mas o repasse para o consumidor final também não deve ser alto porque ele não está em condições de pagar mais pela carne”, disse Hyberville Neto, especialista em mercado agropecuário da Scot Consultoria.

PUBLICIDADE

Leia também:

Especialista

O período, segundo Neto, é o de mais compras no comércio e, por isso, tradicionalmente, o preço costuma subir.

No entanto, com a situação econômica do brasileiro fragilizada, o setor varejista não tem como repassar todo o reajuste.

“A partir de setembro, quando o embargo foi determinado, a cotação da arroba do boi caiu e o preço da carne para o consumidor, não. Isso permitiu ao varejo trabalhar com margens maiores nesse período”, explicou.

PUBLICIDADE

“Mas, ao longo do ano todo, o setor varejista trabalhou com margens pequenas porque na ponta final [o consumidor] não tinha condições econômicas para acompanhar as altas”.

PUBLICIDADE

COMENTÁRIOS

DISCUS: 0