HomeNOTÍCIAS

Brasileiro preso explica origem de carne humana em sua mala

Begoleã Mendes Fernandes está detido desde segunda-feira.O brasileiro preso no aeroporto de Lisboa, Portugal, com carne humana disse que o mater

Inadimplência aumenta 0,56% em janeiro, dizem CNDL e SPC Brasil
Uma brutal onda de calor de temperatura extremamente elevada e por período prolongado atingirá o Centro da América do Sul nesta segunda semana de janeiro
Ligação de celular para o Chile não terá cobrança de roaming a partir de 2023

Begoleã Mendes Fernandes está detido desde segunda-feira.

O brasileiro preso no aeroporto de Lisboa, Portugal, com carne humana disse que o material se trata da prova de um crime, mas que não foi cometido por ele. Begoleã Mendes Fernandes, de 25 anos, confessou às autoridades ter matado um amigo a facadas na Holanda, mas alega legítima defesa, pois o homem teria dito que era canibal e iria comê-lo.

A vítima também era um brasileiro, Alan Lopes, de 26 anos. Ele era açougueiro e morava em Amsterdã há alguns anos. Conforme áudios gravados para a família, Begoleã disse que Alan matava as pessoas e as levava para o açougue. Em um jantar em sua casa, ele teria oferecido carne humana a Begoleã, além de ameaçá-lo a ser “o próximo”.

LEIA TAMBÉM

Mulher cai em golpe e paga 3 mil reais por bandeja de ovo em Araras, SP

Justiça condena banco a devolver mais de R$ 27 mil para idoso que caiu no golpe da falsa central telefônica

Olha o golpe! Criminosos usam dados de cliente e música do banco para tentar enganar vítima

Após o assassinato, Begoleã recolheu a carne oferecida pela vítima como prova e se dirigiu a Belo Horizonte, em Minas Gerais, mas acabou sendo detido durante uma conexão em Portugal.

De acordo com a polícia holandesa, após avaliação, foi constatado que a carne apreendida é de origem humana, mas não pertence a Alan Lopes.

Carla Pimentel, mãe do brasileiro preso, falou à imprensa portuguesa, confirmando a versão apresentada pelo filho. Ela disse ter aconselhado Fernandes a fugir para o Brasil.

Procurados, o Itamaraty e a Embaixada dos Países Baixos em Brasília não se pronunciaram.

COMENTÁRIOS

WORDPRESS: 0
    DISCUS: 0